terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

doença mista do tecido conjuntivo

DOENÇA MISTA DO TECIDO CONJUNTIVO
INTRODUÇÃOEsta pesquisa bibliográfica tem como objetivo esclarecer a cerca de uma doença denominada de Doença Mista do Tecido Conjuntivo ou apenas D.M.T.C..Para se falar em doença do tecido conjuntivo é necessário, antes de qualquer coisa, que se fale algumas das generalidades do tecido conjuntivo hígido.Como a doença mista do tecido conjuntivo se caracteriza por uma mistura sinais e doenças, estas também serão abordadas, tal como o Lúpus Eritematoso Sistêmico ou L.E.S. a Polimiosite o fenômeno de Raynaud.1 - TECIDO CONJUNTIVOOs tecidos conjuntivos são responsáveis pela forma, e contorno do corpo, além de oferecer proteção às vísceras. O termo tecido conjuntivo é aplicado, também, a estruturas como a derme, os tendões, a fáscia, o osso, a cartilagem e as cápsulas articulares. Contudo, todas as células todas entram em contato com as estruturas adjacentes que envolvem os tecidos conjuntivos como componentes das matrizes extracelulares, onde esta possui propriedades adaptadas a tensão dos tecidos e órgãos de que fazem parte as células.A matriz extracelular pode apresentar-se rígida (osso), elástica (parede dos vasos sangüíneos), compressível (cartilagem) ou líquida (líquido sinovial). As propriedades da matriz são determinadas pela função celular específica para cada tecido que é responsável pela síntese do componente da matriz e influenciadas pelo seu relacionamento com o sistema vascular, do qual derivam seus principais componentes como a água, eletrólitos e proteínas.1.1 - COMPOSIÇÃO DA MATRIZ EXTRACELULAROs principais componentes da matriz extracelular são proteínas fibrilares (colágeno e elastina), proteínas globulares, carboidratos complexos e, no caso do osso, a fase mineral inorgânica. Na maioria dos tecidos conjuntivos, as proteínas fibrilares formam o material orgânico e as fibras elásticas constituem-se de elastina (mais abundante) e um componente associado a elastina, que é uma glicoproteína microfibrilar (mais escasso).As fibras elásticas são mais abundantes nas paredes das grandes artérias e em alguns tendões e ligamentos. Contudo, nas articulações, os colágenos são grandes proteínas fibrilares, de forma determinada pelo tipo de molécula que predomina e pela interação com outros componentes da matriz. As moléculas da maioria dos colágenos consistem de três polipeptídios (cadeia d), que possui estrutura helicoidal característica e única, determinada pela seqüência de aminoácidos.Outros grandes componentes dos tecidos conjuntivos são os carboidratos de elevado peso molecular, que formam a substância básica da matriz interfibrilar. Estas macromoléculas compõem-se de uma porção glicosamínoglicam ligada a um núcleo protéico denominado de subunidades de proteoglicans. Na cartilagem os proteoglicans formam cerca de metade do peso seco do tecido. Outro complexo abundante, e o maior polissacarídeo do líquido sinovial é o ácido hialurônico. Os carboidratos complexos da cartilagem são compostos de polímeros de subunidades de proteoglicans de elevado peso molecular, com as cadeias laterais de polissacarídeos de sulfato de condroitina e sulfato de queratina ligado aos resíduos serina do núcleo protéico. Esses agregados de proteoglicans são considerados como ocupando os espaços na cartilagem circundada pelas fibras de colágeno e outros componentes da matriz.1.2 - ESTRUTURA E FUNÇÃO DAS ARTICULAÇÕESA estrutura e características das articulações diartrodiais são determinadas pela função das células específicas que produzem matrizes extracelulares peculiares. As articulações são idealizadas para as necessidades de suportar peso e movimento, por isso precisa operar com o mínimo de desgaste possível, com o passar dos anos. As propriedades funcionais dependem de uma superfície cartilaginosa compressível e deformável, lubrificada e sustentada pelo osso subcondral. A estabilidade é determinada pela estrutura do tecido conjuntivo da cápsula articular, tendões e ligamentos e influenciados pela função dos músculos em movimento ou sustentados esta articulação. A cavidade articular c forrada internamente por uma membrana sinovial que consiste, normalmente, de duas camadas de células. Na sinóvia normal foram reconhecidas pelo menos dois tipos celulares, as células do tipo A (célula fagocitária) e as células do tipo B (semelhante aos fibroblastos).A cavidade articular contém um líquido sinovial-característico, onde a sua alta viscosidade deve-se a presença do ácido hialurônico. A água, os eletrólitos e algumas proteínas séricas de baixo peso molecular, como a albumina, são derivados da filtração dos capilares sinoviais. Na inflamação articular, há um aumento da entrada de proteínas de elevado peso molecular no líquido sinovial, onde esses líquidos patológicos podem formar, assim, um coágulo de fibrina.A cartilagem da articulação díartrodial é avascular e os condrócitos precisam receber sua nutrição a partir do líquido sinovial; os produtos do seu metabolismo são depositados, também, no líquido sinovial. A extensão em que a cartilagem articular deforma-se pela compressão e a capacidade de readquirir a sua forma, após a liberação dessa compressão, são determinadas pelas interações dos agregados de proteoglicans com a matriz fibrilar.1.3 - ALTERAÇÃO DA ESTRUTURA E FUNÇÃO DAS ARTICULAÇÕES NA PATOLOGIAQuando as articulações são submetidas a um traumatismo mecânico ou químico, há várias respostas previsíveis. Contudo, em quase todos os tipos de inflamação articular, como a gota de urato ou na artrite reumatóide, há uma exsudação celular, particularmente com polimorfonucleares na cavidade sinovial. Nestes tipos de patologias inflamatórias, o líquido sinovial é caracterizado pela diminuição da viscosidade. As enzimas liberadas das células inflamatórias têm a capacidade de degredar o núcleo protéico do proteoglícan e o colágeno da cartilagem articular e das estruturas adjacentes, excedam às dos inibidores presentes no líquido e nos tecidos sinoviais.Cada um dos componentes extracelulares da matriz das estruturas da articulação possui uma composição peculiar, no que respeita ao tipo de colágeno, ao proteoglican e ao componente glícoprotéico. Por sua vez a composição dessas matrizes deve determinar a sua função, sendo assim, o retorno da função com a cicatrização da patologia requer a restauração da composição original, que depende da capacidade de remodelagem de alguns tecidos.2 - LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO (LES)O Lúpus Eritematoso Sistêmico ou LES é uma doença de causa desconhecida, que se caracteriza pela produção de auto-anticorpos que participam da lesão tecidual imunologicamente mediada em diversos sistemas orgânicos. A sua evolução mostra períodos de remissão e recidiva aguda ou crônica. Sua forma clínica varia desde formas mais leves de exantema até o comprometimento à vida de órgãos internos. O LES pode ocorrer em qualquer faixa etária, porém tem incidência máxima entre 16 a 55 anos, mais em mulheres e mais freqüente em certos grupos raciais, em particular aos negros, e, possivelmente, chineses e outras populações asiáticas.2.1 - PATOGENIAForam relatadas anormalidades em praticamente todos os aspectos do sistema imune nestes pacientes, porém não se sabe quais os defeitos fundamentais na sua patogenia. A hiperatividade imune é vista pela produção de numerosos auto-anticorpos, que pode resultar de influência recíproca de fatores genéticos, ambientais e hormonais.É classificado como uma doença por imunocomplexos, pois se trata de uma doença mediada primariamente por anticorpos. Os anticorpos antinucleares (AAN) e anti-DNA de duplo filamento (anti-DNAds) reagem com antígenos na circulação ou no glomérulo, com conseguinte fixação do complemento, em seguida de liberação de fatores quimiotcrápicos c de mediadores da inflamação pêlos leucócitos. O depósito contínuo de anticorpos e a indução da inflamação podem levar a lesão renal irreversível e podem ocorrer processos semelhantes em outros órgãos ou com outras células e verifica-se a produção de auto-anticorposdirigidos contra plaquetas, eritrócitos e linfócitos.2.2 - MANIFESTAÇÕES CLÍNICASApresentações típicas apresentam-se em poucos pacientes, onde estes se manifestam com fadiga, mialgias e artrite, podendo desenvolver, posteriormente, outras manifestações. O LES caracteriza-se por períodos de exacerbação do quadro, seguida por remissão. A maioria dos acometidos tem fadiga, febre e perda de peso, na fase diagnostica, onde a fadiga pode representar o primeiro sinal de exacerbação da doença. As artralgias ou artrites ocorrem em 95% dos casos, em 10 a 15% verificasse deformidades semelhantes às observadas na artrite reumatóide, não ocorrendo erosões ósseas típicas, porém pode-se encontrar fatores reumatóides nos portadores do LESAs anormalidades da pele, cabelo ou mucosas representam a segunda manifestação mais comum, como a erupção malar clássica em "asa de borboleta", que recobre as bochechas e a ponta do nariz, poupando as pregas nasolabiais; alopécia e lesões vasculíticas. O fenômeno de Raynaud pode apresentar-se tão intenso, a ponto de gangrenar os dedos.Dores abdominais podem ser indicativo de serosite, arterite mesentérica ou pancreatite. Dor torácica pleurítica com ou sem derrame pleural são comuns. O comprometimento pulmonar parenquimatoso pode manifestar-se por pneumonite aguda com ou sem hemorragia pulmonar. Ocorre comprometimento renal em quase metade dos portadores, porém poucos evoluem à uma insuficiência renal irreversível.As manifestações neuropsiquiátricas são freqüentes c abrangem grande parte do espectro das doenças neurológicas, porém a depressão e a psicose são mais comuns. Pode ocorrer comprometimento do sistema nervoso central.A pericardite também é bastante comum, mas raramente evolui para tamponamento ou pericardite constritiva. Podem ocorrer lesões vai vares graves, principalmente na mitral e aórtica. Alterações hematológicas, como anemia normocítica normocrômica e anemia hemolítica, podem ocorrer.3 - ESCLEROSE SISTÊMICA (ES)A Esclerose Sistêmica ou ES, é observada mais comumente em adultos, enquanto as fornias localizadas ocorrem amais em crianças. Os portadores de ES limitada, antigamente denominada síndrome CREST (C-calcinose, R-fenômeno de Raynaud, E-doença esofágica, S-esclerodactilia, T-telangiectasia) e geralmente não desenvolvem comprometimento dos órgãos internos por vários anos. Por outro lado, as pessoascom espessamento cutâneo disseminado e rapidamente progressivo, como nos casos de ES difusa, que afeia as partes proximais dos membros e o tronco, apresentam maior probabilidade de desenvolver problema visceral precoce e grave.A rigidez da pele e o fenômeno de Raynaud são duas características clínicas essenciais da ES e também apresentam um distúrbio generalizado de pequenas artérias e do tecido conjuntivo caracterizado por obstrução vascular e fibrose na pele e nos órgãos internos.3.1 - ESCLEROSE SISTÊMICA LIMITADA (VARIANTE CREST)Nesta, o paciente refere uma história de fenômeno de Raynaud de vários anos de duração e, subseqüentemente apresenta edema ou enrijecimento da pele das mãos, da face e dos pés. Os portadores de ES limitada apresentam freqüência bem menor de comprometimento grave dos órgãos internos, porém, a hipertensão pulmonar e a doença esofágica não são tão raras.3.2 - ESCLEROSE SISTÊMICA DIFUSAÉ menos comum, porém de prognóstico mais sombrio, devido ao comprometimento renal e pulmonar mais freqüente. Pode ocorrer início súbito de edema das mãos, face e dos pés, associado com o fenômeno de Raynaud. Essas alterações podem evoluir no decorrer de várias semanas ou meses, afetando áreas mais próximas das extremidades, como o tórax e abdome. Os portadores de ES difusa devem ser acompanhados de perto devido a possibilidade de comprometimento visceral.4 - DOENÇA DE RAYNAUDRefere-se a palidez ou cianose paroxística dos dedos das mãos ou pés, ou raramente da ponta do nariz ou das orelhas (partes acrais). É causada por intenso vasoespasmo de pequenas artérias ou arteriolas locais, principalmente em mulheres jovens e sadias sob os demais aspectos. Tipicamente os dedos mudam de cor, seguindo a seqüência de branco, azul e vermelho. Não existem alterações orgânicas nas paredes arterais, exceto numa fase tardia da evolução da doença, quando pode aparecer proliferação da íntima.Sua causa permanece incerta. Reflete um exagero das respostas vasomotoras centrais e locais normais ao frio ou a emoções. Em geral, a evolução é benigna, podendo ocorrer casos crônicos de longa duração, ocorrendo atrofia da pele, dos tecidos subcutâneos e musculares, ulceração e gangrena das extremidades.Em contraste, o fenômeno de Raynaud refere-se a insuficiência arterial das extremidades, secundária a estenose arterial induzida por várias condições. O fenômeno de Raynaud pode constituir a primeira manifestação de qualquer uma destas condições.5 - DOENÇA MISTA DO TECIDO CONJUNTIVO (DMTC)É o nome dado a uma síndrome que apresenta características clínicas da ES, de LES e da polimiosite. Cerca de 25% de todos os pacientes com características de doença do tecido conjuntivo não se enquadram em uma categoria diagnostica definida. Em conseqüência, há alguma confusão sobre a maneira adequada de classificar a doença nesses pacientes. Foram designados três termos para descrevê-las: Doença Indiferenciada do Tecido Conjuntivo de Desenvolvimento Precoce (DITCP), Doença mista do Tecido Conjuntivo (DMTC) e Síndrome de Superposição.Quando o paciente apresenta características sugestivas de doença do tecido conjuntivo, mas que não são definitivamente diagnosticas de um distúrbio em particular, ó melhor estabelecer o diagnóstico de DITCP. Os termos DMTC e síndrome de superposição tem sido quase sempre empregados como sinônimos, entretanto, é necessário aplicar critérios sorológicos específicos para o diagnóstico da DMTC.O diagnóstico de DMTC é geralmente reservado para pacientes com títulos muito altos de anticorpos contra ribonucleoproteína (RNP), Os anticorpos antinucleares são observados em títulos superiores a 1:1000, com padrão salpiado, e os anticorpos anti-RNP em títulos superiores a 1:1000000, persistindo tanto na fase atíva quanto na de remissão. Raramente são encontrados anticorpos anti-Sm, anticorpos anti-DNA nativo e células LÊ. Na DMTC, o antígeno nuclear solúvel em saliva é sensível à ribonuclease, enquanto o encontrado no LES é resistente.5.1 -MANIFESTAÇÕES CLÍNICASClinicamente caracteriza-se pelo fenômeno de Raynaud , poliartralgia, artrite, edema das mãos (os dedos assumem o aspecto em "salsicha"), bem como hipomotilidade esofágica, miopatia inflamatória proximal e alterações pulmonares. Em 85% dos casos, o fenômeno de Raynaud precede as outras manifestações, associando-se a mialgias e fadiga. Em 59% dos pacientes, podem surgir lesões que lembram o LES.A mortalidade é em tomo de 7%, o bom prognóstico se deve em especial ao fato de apenas 10% apresentarem lesões renais, quase sempre discretas. Este fato está diretamente relacionado à ausência de anticorpos anti-DNA.As lesões cutâneas são semelhantes ao LES. Na miopatia da musculatura proximal, observam-se degenerações das fibras musculares e infiltradas linfoplasmocitário perivascular. A imunofluorescência direta mostra deposição de IgG, IgM e complemento de sarcolema do tecido conjuntivo perimisial e na parede dos vasos normais. Tanto na pele lesada quanto na sadia, observa-se deposição de IgG nos núcleos das células epidérmicas e em faixa na zona da membrana basal, com aspecto pontilhado.CONCLUSÃOPor meio da pesquisa realizada, é possível dizer que a DMTC é uma doença auto-imune, que "mistura" três doenças: o LES, ES e Polimiosite. Como o próprio nome já sugere é uma doença de repercussão sistêmica e felizmente de baixa mortalidade, porém sem cura.Suas manifestações giram em tomo do fenômeno de Raynaud, tumefação de dedos, motilidade anormal esofageana, miosite e outros.

40 comentários:

  1. cara Ane Coelho
    Foi-me diagnosticado Granulomatose de Wegener à precisamente 1 ano, tomo corticoide, imunosupressor..., mas, defensora da homeopatia e afins gostaria de saber se há medicamentos naturais que reduzam os efeitos secundários do quimicos ou até mesmo a possibilidde de os deixar de tomar, e, enveredar pelos naturais.
    Obrigada pela sua atençao
    Lurdes Gracinda

    ResponderExcluir
  2. eu acredito que vc não deva em hipotese alguma deixar seus medicamentos alopáticos, porém, usar concomitantemente com terapias complementares, ajudam emocionalmente e muitas vezes diminuem os efeitos colaterais, mas doenças crônicas e autoimunes, só mesmo com medicações imunossupresoras
    boa sorte e melhoras

    ResponderExcluir
  3. Tenho 23 anos e sofro da doença mista do tecido conjutivo,associado ao fenômeno de raynaud que icomoda bastante.Sofro com muitas dores,de não conseguir me mover. Gostaria de saber de onde se origina essa doença? é genético? Minha mãe é falecida, ela tinha fênomeno de raynaud.Mas a causa do seu falecimento foi por Linfoma não hodgkin.Espero resposta. Obrigada!

    ResponderExcluir
  4. infelizmente as doenças autoimunes ainda estão em estudos e pouco se sabe sobre a origem real, muitos estudos estão em andamento,

    vc deveria procurar um médico da dor (especialista), tenho certeza que vc vai melhorar
    sinto muito por sua mãe e melhoras

    ResponderExcluir
  5. Cara Ane,
    foi-me dito por um especialista em doenças auto imunes que sou portadora de D.M.T.C.
    Há ja 3 anos que tenho todo um conjunto de sintomas e tomo corticoides,imunossupresores etc. mas,o facto é que todas as semanas tenho uma crise e mal me posso mexer.como posso ter a certeza de que tenho realmente DMTC?Há alguma analise que seja infalivel para o diagnostico?
    obrigada

    ResponderExcluir
  6. minha amiga,
    vc deve conversar com seu médico, as doenças autoimunes, são traiçoeiras e muitas vezes temos muitos sintomas que não são da doença.
    não fique achando que tudo é DMTC,
    se cuide e mande notícias

    ResponderExcluir
  7. olá Ane!
    obrigada por responder!
    De facto é muito complicado lidar com tudo isto,tenho tantos sintomas de tanta coisa que nem sei como descrever tudo isto...
    Borboleta na face,dores articulares com manchas vermelhas,vasculite,SS,RAYNAUD,AR,e agora começaram a aparecer outros sintomas que segundo o medico podera revelar uma esclerodermia...
    enfim,um mundo desconhecido sobre o qual ninguem desponibilisa muito tempo para esclarecimentos.
    o certo é que ja nao sou quem era e nao posso nada do que podia!
    obrigada por estar ai desse lado!
    um abraço
    Ana

    ResponderExcluir
  8. olá Ana,

    as doenças autoimunes são traiçoeiras e quem tem uma pode ter várias, mas o segredo é não se stressar, procurar lidar o melhor possível, se precisar de uma terapia para aprender a lidar com uma nova forma de viver, não tenha preconceito, viu??????????
    melhoras e continue desabafando
    um abraço

    ResponderExcluir
  9. sou portadora de dmtc,faço tratamento na liga de doenças auto imunes no HC há 10 anos.tem sido muito sofrido pois posuosindrome de raynoud,rnp de altos titulosrefluxo gastrico,poliartrite,artrite de grandes e pequenas articulações,esclero dermia,luposentre outros e ainda cai da laje e fraturei os dois pés ,mas não deixo apeteca cair!!!!

    ResponderExcluir
  10. Olá, gostaria de partilhar convosco a minha experiência. Sou portadora de doença mista do tecido conjuntivo. Realmente a minha vida mudou desde 2002, contudo, só tive confirmação em 2009 que era DMTC, porque o médico que me seguia não diagnosticou de forma correcta a patologia. Já me atingiu os pulmões, o esófago, o estômago, intestinos e ultimamente noto que estou com falta de memória.
    Tenho síndrome de Raynaud que me limita imenso a minha vida, por causa do frio, sinto tanto frio de inverno, chego a desesperar.
    Tomo muitos medicamentos, neste momento estou a fazer 6 ciclos de fosfamida. Contudo isto, quero deixar uma mensagem de esperança,divirtam-se e tentem esquecer que estão doentes, nunca desistam, não se lembrem do que já não conseguem fazer, mas sim do que ainda conseguem fazer. Muita esperança, coragem e tudo de bom nas vossas vidas.

    ResponderExcluir
  11. OLÁ... TENHO 25 ANOS E SOU PORTADORA DE DMTC. A DOENÇA FOI DIAGNOSTICADA A POUCO MAIS DE 2 ANOS E NO COMEÇO FOI MUITO DIFÍCIL, SENTIA MUITAS DORES E FIQUEI SEM ANDAR POR 1 MÊS, MAS HOJE COM O TRATAMENTO ADEQUADO E MUITA FORÇA DE VONTADE TRABALHO, CUIDO DA MINHA CASA E DA MINHA FILHA, COISA QUE DURANTE MUITO TEMPO NÃO PUDE FAZER POR CONTA DA DOENÇA. GOSTARIA DE FALAR COM AS PESSOAS QUE ESTÃO NO INÍCIO DE TRATAMENTO PARA NÃO DESANIMAREM, NO INÍCIO É MUITO DIFÍCIL E PARECE QUE NADA VAI MELHORAR A SUA DOR, MAS CONTINUEM FIRMES E VCS VERAM QUE TUDO, MAIS CEDO OU MAIS TARDE, VAI SIM MELHORAR.

    ResponderExcluir
  12. Olá eu tenho tambem e gostaria de saber como faço um tratamento no HC??? vi que tem uma liga de doença autoimune. Estou no começo da doença e fiquei bem animada com que li aqui pq eu já estava desisitindo, tenhos sofrido muito mesmo com tudo isso .
    Me mandem telefone e endereço do medico de vcs pra eu poder procurar por favor. Ainda nao tenho filhos... me casei há 5 anos. Espero contar com a ajuda de vcs..

    ResponderExcluir
  13. Meu email é flaviacporto@gmail.com, aguardo respostas

    ResponderExcluir
  14. Flávia,
    que bom que vc se animou, de que estado vc é?
    HC tem no brasil todo, mas entre em contato com eles por e-mail,

    não desanime, vc pode ficar muito bem

    boa sorte

    ResponderExcluir
  15. Sou de JAcarei - SP, quinta farei uma biopsia no pulmao...
    Voce teria o email deles?

    ResponderExcluir
  16. Olá, tenho uma namorada linda, que tem D.M.T.C., gostaria, de saber, por gentileza, Ane, o que posso fazer para fazer o dia dela melhor? Já sofro, por vê-la, com dores, e observo, nesse tempo de namoro, muitas dores no estomago, além do lado psicológico, eis que tem muito temor, pois tem uma filha pra criar, e tem medo de deixá-la desamparada. Em suma, o que eu posso fazer, para ajudá-la no aspecto físico e mental? Ane, algo, que a deixou muito triste foi a negativa dos médicos quanto a ela engravidar, o que é o seu sonho,isso procede? Ela já tem essa doença há 14 anos. Muito obrigado, e esse espaço é muito importante, obrigado novamente por tê-lo.

    ResponderExcluir
  17. Ane e outras amigas com DMTC. Tudo começou com um tremor na face que ninguem conseguia identificar (trigemeo).1 ano depois veio a hérnia de disco, a osteopenia e a dor na articulação do femur. Agora o exame anti-RNP positivo 1:220. Me ajudem. O que devo esperar daqui para frente? Quanto tempo a doença demora para se alastrar? Vi que teve gente que melhorou, como assim? Como será minha vida daqui a 1 ano, 2, 5, 10? Tenho dois filhos pequenos e estou desesperada. Quero só uma palavra de quem tem a doença. Sincera. E, com certeza, sofrida. Quero planejar esses novos tempos que vou sofrer. Obrigado.

    ResponderExcluir
  18. Olá Ane, td. bm?
    Gostaria de saber sobre os direitos dos portadores de DMTC. Vc sabe?
    Meus agradecimentos

    ResponderExcluir
  19. Oi! Minha reumatologista atraves de exames relatou que tenho DMTC, tenho fan positivo repetido por duas vezes 1/1280 nuclear pontilhado grosso, proteina c 3, 25 anti rnp 8,0 anti ssa 70,5. Estou tomando remédios para dores e prednisona 5 mg. Não melhorei nada , sinto mtas dores, quase que insuportáveis, chego a andar com dificuldade por causa da dor lombar.Também tenho sindrome de raynaud! Tive em outro médico e ele não concordou com a minha médica e mandou eu parar de tomar o corticoide pra ver se aparece mais sintomas. Não sei mais o que fazer! Preciso de ajuda...preciso ver uma luz!

    ResponderExcluir
  20. Olá meninas!
    Recentemente fui diagnosticada com DMTC, meu caso não é tão grave como muitas de vocês. Acredito que foi porque eu procurei ajuda médica nos primeiros sintomas que foi o Raynauld. Inicialmente fui ao cardiologista, pois na tentativa de esquentar a minha mão acabei queimando ela numa panela e não percebi me assustei e vi que não poderia ser normal, pensei que era algo relacionado com circulação, pois tinha dor nas pernas... Logo ele me encaminhou para um reumatologista, esse já me avisou que eu poderia ter somente o Raynauld como poderia ser muitas outras coisas. Ele me pediu vários exames e foi achando as alterações...
    Tenho FAN positivo núcleo: 1/1280, anti-rnp\sm: superios a 200, proteina c reativa agora normal, mas antes era 7.7, leucopenia (agora no limite inferior do normal! Mas normal!!)....
    Enfim, hoje faço tratamento com corticóide e acompanhamento a cada três semanas ou um mês conforme necessidade... Há uma comunidade no orkut tbem para quem deseja entrar: D.M.T.C
    Enfim, estou trabalhando mas, com restriçoes de peso... Em casa estou indo com calma, faço pouca coisa por vez, pois tive uma crise de miastenia e não posso fazer exercicios fisicos e nem gerar nenhum stress para a minha musculatura. A minha maior procura na internet é para achar um tratamento diferenciado, que não seja o corticoide, pois eu já engordei 10kg desde que iniciei o tratamento. Vou iniciar acompanhamento com a nutricionista tambem...
    Bem, o lema é não desanimar e respeitar o nosso corpo.
    Qualquer coisa entrem na comunidade e vamos conversar e trocar experiencias..

    Mary Jones

    ResponderExcluir
  21. Olá... minha sobrinha foi disgnosticada com essa doença, ela tem 14 anos... na verdade ela começou com td sintomatologia de lupus ( asa de bosboleta , manchas na pele), mas nao sente nenhuma dor articular... Estranho muito, pois tenho febre reumática e ao subir um lance de escada ja sinto minha juntas pegando fogo... e como tds vcs comentam de dores, estranho o fato dela nao sentir ainda... ela tem uma anemia muito forte e o leucograma dela dá 1000 ... ela ta tomando corticóides em altas doses e agora foi prolongado por 2 meses, e mais um imunossupressor, pois a medica disse que ela ta com um compromrtimento do fígado... e pediu um exame de fundo de olho... pois acha que pode ter um comprometimento tbm.... gostaria de uma orientaçao... pois estamos tds atordoados... isso td acontece em menos de 1 mes...
    Monique

    ResponderExcluir
  22. andei sem poder entrar no blog , passei por uma séria cirurgia, mas agora voltando a vida. desculpe aos que não respondi vou tentar colocar tudo em dia, mesmo os muito distantes
    um grande abraço

    ResponderExcluir
  23. ola´, você que tem a namorada com essa patologia, o que você está fazendo é muito importante para ela, se informar, entender enfim, estar junto nesse momento difícil.
    com certeza é muito complicado uma gravidez, a doença pode se agrvar muito pois vai precisar parar todo o tratamento sem contar com complicações para a criança, desista se for tão importante, adotem.
    ela precisa de ajuda emocional, quem sabe uma terapia ou algo que se asssemelhe.
    Desejo melhoras um abraço

    ResponderExcluir
  24. oi você que está sem entender o processo de evolução da DMTC,
    em primenro lugar, não existe resposta para o que vc anseia, cada organismo é um e muitos podem ficar como estão por toda a vida sem nenhuma evolução.
    se vc se mantiver calma, aceitar com clareza e responsabilidade vc pode viver muito bem.
    se precisar procure uma terapia
    todos que passam por doenças autoimunes e outras, precisam aprender a conviver com a doença e não com um fantasma assutador
    boa sorte sempre

    ResponderExcluir
  25. Parabéns pela iniciativa e sua dedicação. Fiquei um pouco mais aliviado ao ler os relatos e comentários de pessoas que assim como eu são portadores dessa sigla estranha.Estou no meu primeiro ano de tratamento e me foi de muita valia conhecer este blog e seus depoimentos.Força a todos e que sejamos cada dia mais fortes.

    ResponderExcluir
  26. Ola, tenho 26 anos e sou portadora de DMTC. Faço tratamento a 3 anos e posso dizer que hoje consigo ter uma certa qualidade de vida. Foi muito dificil no inicio, fiquei sem andar, as dores eram insuportaveis, na epoca minha filha tinha 1 aninho e era muito doloroso ela me pedir colo e eu não poder pega-la. Hoje, com o tratamento e com a ajuda do meu marido e dos meus pais, estou melhor, trabalho, cuido da minha casa, da minha filha, e vivo bem com minhas limitações. O Raynald ainda é muito doloroso, mas aprendi a conviver com ele, por conta da medicação que tomo, desenvolvi uma esofagite e não vivo sem omeprazol, pois passo muito mal sem ele. Sei que e muito dificil no começo, parece que não vamos conseguir suportar, mas tenham fé, façam o tratamento, no final tudo da certo. A ajuda da familia e dos amigos tbm e muito mportante para nossa melhora. Boa sorte a todos

    ResponderExcluir
  27. Olá Ane!
    Minha irmã é portadora de doença mista do tecido conjuntivo e o pior sem renda alguma.Será que o Governo tem idéia da gravidade dessa doença?Será que um dia o Governo dará uma qualidade de vida às pessoas portadoras dessa doença terrível?

    ResponderExcluir
  28. Ola Ane! sou Brasileira e estou a viver em Portugal a dez anos.A um mês foi me diagnosticado D.M.T.C .Apos ter sido internada durante quinze dias . os médicos fizeram todos os exames necesarios para diagnosticar a doença. Estou triste por saber que tenho essa doença. Mas estou satisteita com o tratamento e a atenção que recebi dos médicos que estão a cuidar do meu problema. e estou muito contente por ter encontrado o seu site. Beijinho! Jovânia varela.

    ResponderExcluir
  29. Olá, oi meu marido fez vários exames, todos normais, menos o Ant-RNP que deu 3.0 UR/ml... pelo método ELISA. Será alto?

    ResponderExcluir
  30. Ola Ane,

    Fui diagnostica a 6 meses de DMTC. Na verdade eu fazia tratamento para espondiloatropatia soronegativa e minha médica pediu o FAN apenas para rotina e ele deu positivo com altas titulagens, então com outro exame foi confirmado. Sou enfermeira, mas tenho muita dificuldade de entender a doença. Tenho fasceíte plantar bilateral resistente ao tratamento. E atualmente sido dores musculares. As vezes acho que é frescura, ou vezes acho que estou exagerando. Não sei se é a doença. Estou um pouco perdida. Nunca tive Raynald. Sou de Brasília e gostaria de achar algum ligar que com profissionais multidisciplinares que entendessem da doença. As vezes acho que preciso de um psicologo, mas não sei quem procurar. Você tem alguma sugestão? Obrigada pelo apoio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, você ja encontrou especialista em DMTC no DF? Se souber me indique por favor. Estou a procura de mais opiniões. Há msis de um ano faço tratamento para artrite t
      Reumatóide por causa de enrijecimento matinal nas mãos, com 5mg de corticoide - prednisona - e hidroxicloroquina (relquinol). Não tenho dores, faço spinning 2x por semana normalmente. Mas agora apresentei anti RNP positivo (295), além de continuar com o Fan em 1/1280 pontilhado grosso. Outros anticorpos deram negativos. Sera que pode seruma DMTC inicial. Minha médica disse que DMTC o RNP tem que ser acima de 1000 e que eu nao preencho outros fatores pra classificar. Nao tenho reynald, mas percebo leves problemas relacionados à circulação nos pés e nas mãos. Leve formigamento e esfriamento das pontinhas à noite. Preciso de um mefivo TOP, alguem tem um pra indicar?

      Excluir
  31. sou portadora de dmtc a 3 anos,no começo foi muito sofrido eu tinha 15 anos e não aceitava isso na minha vida,chorei muitas vezes,fiquei muito magra pois fiquei tão triste que nem comia,com isso acabei ficando com anemia também e ficava com medo de sair de casa,porque se eu ficasse muito tempo em pé ou andasse demais voltava para casa mancando de tanta dor..eu tinha dor em todas as partes do corpo,um dia a dor era nos braços,outro dia era na perna,pescoço,mãos e etc...foi muito dificil para mim pois nem conseguia abrir uma bica ou uma garrafa mais encontrei uma médica maravilhosa e paciente que cuida de mim até hoje,ela foi a luz no fundo do túnel para mim,pois eu não tinha nenhuma esperança.tomo o prednisona direitinho porque não posso falhar com ele.hoje eu sou muito feliz pois vejo que na vida existem muitos obstacúlos e em vez da gente correr deles,agente tem q tentar vence-los
    obrigada pela atenção e por eu poder contar a minha história

    ResponderExcluir
  32. pessoal, os hospitais universitários são sempre uma boa opção para tratar doenças crônicas, normalmente eles tem programas de dor e etc,
    todos portadores de doenças autoimunes etc devem perder o preconceito de fazer terapias, pois é muito difícil aprender a viver de uma nova forma.
    continuem firmes e persistentes que tudo ficará melhor
    parabéns a vc que conseguiu superar as limitações .
    um abraço a todos

    ResponderExcluir
  33. boa noite Ana
    tenho 23 e desde 2011 sentia muitas dores na articulações sinto muitas dores e tenho fenomero Raynald fiz o FAN deu Lupus ai minha medica pediu para fazer o RNP e SM para saber qual o grau o RNP deu positivo e o diagnostico foi DMTJ então comecei o tratamento com corticoides e meu corpo manchou sou negra e as machas estão brancas e gostaria de saber o que pode ser, se pode ser do remedio ou não e se tem algum tratamento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. infelizmente não sei te responder Nigra.
      vou pesquisar e te aviso. melhoras e boa sorte

      Excluir
  34. gostaria de saber o contato de algum medico, ou de algum paciente que trata dmtc e teve sucesso.

    obg.

    ResponderExcluir
  35. Descobri que tenho DMTC ha 2 mese,sinto dores pelo corpo todo,maos sempre inchadas dores insuportaveis em cotovelo e joelhos,dificuldades para andar e subir e descer escadas...
    O fenomeno de raynald doi demais apos cada crise minha mao formiga muito e nao sinto os dedos das maos nem dos pes...
    Minha duvida e sou auxiliar de enfermagem e mecho muito com agua fria e pego muito peso,quem tem DMTC pode trabalhar nesta area ate porque e uma doenca auto imune e eatou sujeita a qualquer tipo de infeccao...
    Desde ja te agradeço por tudo,beijo e fique com Deus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá, realmente você deve ter cuidados especiais, até pq se faz uso de imunossupressor, não pode ter contatos com infecções e etc.
      a água fria é o veneno do reynaud.
      tente usar luvas e conversar com seu médico.
      melhoras

      Excluir
  36. oi meu nome é fernanda tenho dmtc descobri a pouco tempo mais já me atacou os pulmões,estou com fibrose pulmonar tomo 60mg de prednisona 150 de azatioprina calcio 7000 calcio500 dentre outros sinto muita falta de ar e dores no estomago e nas pernas.estou com as valvulas mitral e tricuspide ja insuficientes tem alguem que tem os mesmos sintomas por favor me mande um email tenho algumas perguntas.obrigada

    ResponderExcluir

Obrigada por ter me visitado, volte sempre
Ane Coelho

Daily Calendar

Seguidores

alongamento

alongamento

Notícias

Loading...

Follow by Email

dores e doenças autoimunes

Loading...
Loading...

saúde

Loading...