terça-feira, 21 de julho de 2009

Fibromialgia

Referência em FISIOTERAPIA na Internet

www.fisioweb.com.br


Trabalho realizado por:
Fernanda Coutinho França
Graziane de Oliveira Gordinho

Orientador:
Prof. Blair José Rosa Filho
Prof. Alexandre Paixão
Prof. Alexandre Pereira
Prof. Leandro Dias

Tender Points e Trigger Points


FIBROMIALGIA

Introdução

A fibromialgia é definida como uma síndrome dolorosa, caracterizada por dor difusa nos músculos, tendões, ossos e articulações.
Como é decorrente de uma interação complexa de vários fatores, ela leva a um desequilíbrio dos sintomas reguladores da dor.
No decorrer do trabalho, falaremos a fundo da fibromialgia, evidenciando como ela ocorre, seus sinais, sintomas e tratamento.

O que é Fibromialgia

FIBRO - fibras de tecido conjuntivo
MIA - músculo
ALGIA - dor ou condição dolorosa

A fibromialgia é considerada uma síndrome porque é identificada mais pelo número de sintomas do que uma má função especifica. E caracterizado por dor difusa músculo esquelética, rigidez, fadiga, distúrbios do sono e pontos dolorosos. A dor é geralmente descrita como sensação em queimação da "cabeça aos pés" ou por dor que dói o corpo Inteiro ". A dor pode mudar de localização e é mais intensa nas partes do corpo usadas com maior freqüência. Para alguns pacientes a dor pode ser intensa o suficiente para interferir nas tarefas diárias, e para outros ser apenas um pequeno incomodo".

A fadiga experimentada pode abranger desde uma sensação de cansaço até a exaustão extrema.A dor aumenta ou diminui, mas não vai embora.

Geralmente é acompanhada de depressão e ansiedade ou a própria doença leva o paciente a ter esses sintomas.

As mulheres são fortemente mais afetadas, na proporção de 1 homem para 9 mulheres.

Os sintomas pioram com o frio e a umidade, tensão e inatividade, e são aliviados por calor, atividade moderada ou relaxamento.

Pacientes com SFM tem um limiar de dor mais baixo que o normal. Eles freqüentemente sentem dor como resposta a estímulos que normalmente não causam dor; isto é, tem hipersensibilidade à dor.

No passado, muitos médicos rotulavam esses pacientes como "hipocondríacos", e seus sintomas como "manifestações de histeria", ou os diagnosticavam como sofrendo de "reumatismo psicogênico". Pacientes que sofrem de "reumatismo psicogênico", entretanto, são influenciados por mudanças no meio interno (ex. a intensidade dos sintomas varia dependendo do seu humor ou estado emocional). Mas os pacientes com SFM relatam que seus sintomas são influenciados por fatores no ambiente externo, tais como tempo, frio e exercício. Hoje, os médicos abordam o aspecto psiquiátrico da SFM, diagnosticando os pacientes como tendo um "distúrbio somatoforme de dor".

Alguns testes psicológicos e escalas de avaliação têm sido usados na tentativa de estabelecer um padrão psiquiátrico em pacientes com SFM. Como resultado, foram encontradas algumas características psicológicas comuns nesses pacientes:

- Depressão
- Ansiedade
- Dor crônica
- Insônia
- Irritabilidade
- Dor de cabeça
- Dificuldade de concentração
- Perda de interesse
- Preocupação com funções corporais

Muitos estudos relatam uma forte relação entre SFM e uma manifestação psicopatológica.


Sintomas da Fibromialgia

- Dolorimento difuso pelo corpo
- Insônia
- Dores articulares
- Dores de cabeça
- Dormência e formigamento
- Câimbras
- Nervosismo
- Depressão e ansiedade
- Síndrome de irritabilidade intestinal
- Cansaço
- Rigidez generalizada do corpo, ao se levantar pela manhã.


Fatores que desencadeiam Fibromialgia

O ser humano tem mecanismos para sentir dor e para se proteger dela.

O mecanismo que regula a sensação da dor é uma substancia chamada serotonina.

A serotonina é um importante neurotransmissor que, entre outras coisas, regula e afeta o sono, o humor e a percepção sensorial. A serotonina é produzida no nível deita do sono, que é constantemente interrompido na fibromialgia.

Numa pessoa saudável, quando o corpo se exercita ou se movimenta o organismo produz automaticamente serotonina para proteger os músculos de dores, naqueles que tem SFM os níveis de serotonina são muito baixos e a percepção da intensidade da dor é quimicamente alterada.Porém até agora não se descobriu a causa especifica da fibromialgia tão pouco a cura variadas causas podem desencadear crises de fibromialgia, que causam espasmos musculares e fadiga, são elas:

1) Sono de má qualidade (O fibromialgico não completa as 4 fases do sono, o ciclo do sono tem 4 fases que passam do leve ao mais profundo. E no estágio mais profundo (4) que se relaxa completamente a musculatura e a serotonina é produzida.
Pessoas com SFM sofrem uma anomalia no sono, ao chegarem ao estágio 4 retorna para o estágio 1, impedindo que o ciclo se complete e o sono seja reparador, e interrompe a produção de serotonina

2) Falta de condicionamento físico

3) Estresse

4) Algumas doenças crônicas

5) Depressão


Pontos de dor


Critérios para diagnostico

- Dores por todo o corpo precisam estar presentes por pelo menos três meses. A presença de uma desordem clinica secundaria não exclui o diagnostico da fibromialgia

- O exame é feito com tato, pois a vitima tem um nódulo na junção entre o nervo e o músculo. O nódulo funciona como um "ponto de gatilho" da dor, ou seja, sempre que ele é pressionado surgem dores.

- Há 18 pontos pré-determinados no corpo, se 11 estiverem dolorido (Tender Point) a doença é diagnosticada.

Tratamento


O tratamento vai depender do envolvimento do paciente no seu tratamento.

Antes de tudo é preciso manter hábitos saudáveis, como procurar dormir bem.

O lado psicológico não pode ser esquecido é necessário que o paciente ocupe seu tempo com atividades que o façam sentir-se, bem para não se entregar à doença.

A aceitação da doença faz o paciente tratar-se melhor acompanhamento psicológico e fisioterapeutico são essenciais para a melhora do paciente.

Técnicas de meditação, relaxamento, exercícios não impactantes com hidroterapia (exercícios em piscinas aquecidas, com o acompanhamento de um profissional da área) e massagem, são fatores benéficos no tratamento da fibromialgia tanto quanto a medicação que será descrita pelo médico.

São freqüentemente prescritas drogas antidepressivas tais como: amitriptilina, nortriptilina, fluoxetina, etc...; miorelaxantes: ciclobenzaprina(miosan), e analgésicos. Antiinflamatórios e corticoides geralmente têm pouco beneficio ou nenhum.

Importante ressaltar a atividade física leve e regular como parte fundamental no tratamento, (estimula a produção de serotonima).

Deve-se evitar stress físico e emocional, apoio ao paciente principalmente da família e informações.

O tratamento mais efetivo para os pontos deflagradores parece ser calor, massagem, pressão direta, acupuntura, injeções de anestésico local e alongamento.


CONCLUSÃO

De antemão, concluímos que a fibromialgia é uma patologia que envolve vários fatores, como muscular e SNC. Todavia, necessita de um acompanhamento de um especialista para que o processo de desenvolvimento da patologia não ocorra.

MIOFASCIAL


Histórico e definição

Em 1943 FRORWP descreveu a existência de áreas dolorosas e tensas sobre os músculos e em 1898, STRAUSS relatou que nenhum estudo anatômico obteve sucesso em documentar a presença de um depósito de tecido conjuntiva que viria a explicar os "cordões" tensos e palpáveis encontrados nos músculos. Em 1931, LANGE descreveu detalhadamente a distribuição, origem e patologia do que mais tarde, em 1959, foi denominado por STEIDER como ponto-gatilho, um dos componentes desta síndrome.
(TEIXEIRA, 1995).

Em 1939, o conceito de dor referida, começa a surgir através das observações clínicas de KELLGREN, que encontrou áreas dolorosas distantes dos pontos sensíveis. Outros autores, GUTSTEIN e KELLY, conceituaram e descreveram os pontos gatilho, a reação do paciente à palpação e a dor referida (PULLEN, 1992a).

Conceito:

A síndrome dolorosa miofascial é definida como uma disfunção neuromuscular regional que tem como característica a presença de regiões sensíveis em bandas musculares contraturadas / tensas que produzem dor referida em áreas distantes ou adjacentes. Esta dor miofascial pode se originar em um único músculo ou pode envolver vários músculos, gerando padrões complexos e variáveis de dor (WOLENS, 1998).

Etiologia

Vários fatores são precipitantes: traumas (macro e micro traumas), infecção ou inflamação devido a uma patologia de base, alterações biomecânicas apendiculares (discrepância de membros, aumento acentuado dos seios) e axiais posturais, distensões crônicas, esfriamento de músculos fatigados, miosite aguda, isquemia visceral (ZOHN, 1988). Outras causas incluem: lesões localizadas de músculos, ligamentos, cápsulas articulares, doenças viscerais, desequilíbrios endócrinos, exposição prolongada ao frio, deficiência de vitaminas C, complexa B, estrógeno, K+ e Ca+ , anemia, baixa taxa metabólica, hipotireoidismo, creatinúria, stress emocional, tensão fadiga, inflamação, deficiência muscular (MANNHEIMER E LAMPE, 1984; FISHER, 1986). Estes fatores não corrigidos podem perpetuar a dor miofascíal (ZOHN, 1988).

Componentes da Síndrome Miofascial

A síndrome miofascial tem componente essencial: ponto-gatilho, espasmo muscular segmentar, dor referida e o envolvimento de partes moles.
SIMONS (1990) apud MUSSE (1995) estabeleceu cinco componentes que podem ser usados como critério diagnóstico:

1- Queixa de dor regional
2- Queixa dolorosa ou alteração sensorial na distribuição de dor referida esperada
3- Banda muscular tensa palpável
4- Ponto dolorido na banda muscular
5- Restrição de alguns graus de amplitude de movimento (ADM).

Há três critérios menores:

1- Reprodução de queixa durante pressão no ponto
2- Contração durante inserção de agulha ou palpação transversal do ponto na banda
3- Alívio da dor pelo estiramento do músculo.

Pontos-gatilho

As zonas de ponto-gatilhos foram primeiramente descritas em 1936 com a reprodução de dor referida para ombro e braço por pressão na área superior da escápula. Travel relata estudos sobre estes pontos desde 1942.
O ponto gatilho é um lugar irritável, localizado em uma estrutura de tecido mole, mais freqüentemente no músculo, caracterizado por baixa resistência e pela alta sensibilidade em relação a outras áreas (FISHER, 1995a). Quando se estimula esse ponto por 30 segundos com uma pressão moderada, surge uma dor referida.
Um ponto gatilho é dito ativo quando é um foco de hiper-irritabilidade sintomática no músculo ou fáscia com padrão de dor referida (dor espontânea ou ao movimento, diminuição da ADM, diminuição de força, dor à palpação e bandas tensas). O ponto em forma latente não causa dor, mas pode tornar-se ativo por qualquer evento (trauma, estresse), gerando a dor referida.

Fisiopatologia do ponto-gatilho

Há várias teorias: liberação de Ca +2, Inflamação neurogênica, abertura das comportas, desfacilitação do fuso, modificação no SNC, reflexos viscerossomáticos e somatoviscerais e dor referida e Sinais de SNA e memória.

Das teorias referidas a mais aceita é a liberação de Ca +2 e afirma que os pontos ativos podem ser iniciados por um trauma que localmente abre o retículo sarcoplasmático, liberando Ca +2. Este Ca +2 combina-se com o ATP para continuamente ativar os mecanismos locais de contração, gerando deslizamento e interação de actina e miosina com encurtamento do feixe muscular afetado. Isto causa uma contratura local (banda tensa), ou seja, a ativação de miofilamentos sem atividade elétrica e controle neurogênico. Esta atividade gera alto gasto energético e colapso da microcirculação local. O consumo energético sob condições de isquemia leva à depleção de ATP o que impede a recaptação do Ca +2 pelo retículo - ciclo vicioso autosustentado (Musse, 1995).
FIBROMIALGIA X SINDROME MIOFASCIAL

FIBROMIALGIA x SÍNDROME MIOFASCIAL

Diferenças entre Fibromialgia e Sindrome dolorosa Miofascial:
Características Fibromialgia Síndrome Dolorosa Miofascial
Distribuição Simétrica e dores difusas Assimétrica e local em pontada
Sexo Mais mulheres (>80%) Ambos os sexos
Idade Preferencialmente 40-60 anos Qualquer idade
Localização 18 tender points Pontos gatilhos / trigger points
Algometria 4 Kg de pressão Limiar de dor - 2Kg
Radiação Espalhada / Crônica Em pontos específicos
Espasmos muscular Geralmente não Presente com encurtamento
Fraqueza muscular Incomum Comum
ADM Não restrita Sempre restrita
Atividade muscular Dor difusa Dolorida em áreas
Contração local à palpação Ausente Freqüente
Outros sintomas Fadiga, distúrbio do sono, dor, rigidez matinal Baixa resistência da pele





Avaliação Fisioterapêutica

Utiliza-se a história clínica onde são obtidos dados gerais do paciente e o exame físico. Como as queixas principais são dor, limitação de movimento e fraqueza muscular, é importante avaliar estes aspectos para serem avaliados inicialmente e reavaliados ao longo do tratamento.

- Anamnese
- Avaliação da dor - escala analógica visual de dor, Questionário de dor da McGill e dolo rimetria
- Avaliação da amplitude de movimento - goniometria
- Avaliação funcional - o HAQ tem sido utilizado em outras patologias reumáticas como, por exemplo, à artrite reumatóide.

Tratamento

O tratamento pode ser dividido em três fases:

- Inativação do ponto gatilho
- Reabilitação muscular
- Remoção preventiva de fatores perpetuantes
- Inativação dos pontos gatilho - feitas através de injeção com anestésicos ou solução fisiológica salina seguida por alongamento e calor. Esta técnica produz alivio rápido. O spray tem-se mostrado efetivo associado com alongamento. A terapia manual também é citada através da pressão nos pontos gatilhos, fricção profunda e alongamento muscular.
- Restauração da amplitude de movimento e força muscular - alongamento Analgesia - Além das citadas o TENS, ultra-som, laser (a mais popular), acupuntura, manipulação com agulha, calor seco e úmido e biofeedback.
- Remoção preventiva de fatores perpetuantes - A educação do paciente de modo a previnir e lidar com as possíveis crises e também bloquear os fatores perpetuantes ou precipitantes.

Conclusão

O ponto gatilho miofascial é a causa, o sintoma e o diagnóstico-padrão para a patologia, sendo também a resposta terapêutica das diferentes modalidades e não tem sido apropriadamente avaliada. O exame desta síndrome é difícil e o diagnóstico é basicamente clínico.


Obs.:
- Todo crédito e responsabilidade do conteúdo são de seus autores.
- Publicado em 2003

3 comentários:

  1. Olá Ane,
    Quero parabenizar pelos esclarecimentos dados no trabalho acima, pois mesmo sabendo (e vivendo) dessa síndrome, algumas informações foram mais esclarecedoras que os próprios sites sobre Fibromialgia. Como alguém que sofre desse mal, posso confirmar que não é fácil seu convívio, frequentemente sou "abdusida" por ela de forma radical, no inverno então o sofrimento é maior e a incompreensão dos que nos cercam também.
    Bem, valeu pelo artigo.
    Um abraço,
    Patrícia

    ResponderExcluir
  2. Pagulina,
    obrigada amiga, e muita força sempre
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Sobre a Estimulação Magnética Transcraniana:

    Grupo de Estimulação Cerebral

    O que é Estimulação Magnética Transcraniana (EMT):

    http://www.hcnet.usp.br/ipq/emt/oquee_emt.html

    OBs: está sendo usado para fibromilagia

    Hospital das Clínicas
    R.Dr. Ovídio Pires de Campos, 785
    Caixa Postal,3671 Cep 01060-970
    São Paulo - SP Brasil

    Dr Wagner Farid Gattaz - Psiquiatra do Hospital das Clínicas.

    FM - Faculdade de Medicina Setor: MPS - Psiquiatria: Telefone do setor: (0XX11)3069-6273

    Dr Wagner Farid Gattaz (011)3842-1284 - R Eduardo De Souza Aranha, DR, 99 - CJ152S Paulo - VL Olimpia

    (011)3758-4431 - Rua Santa Eulalia,BR,350 - AP 90 EDLuccaS Paulo - Real PRQ

    Espero ter ajudado

    ResponderExcluir

Obrigada por ter me visitado, volte sempre
Ane Coelho

Daily Calendar

Seguidores

alongamento

alongamento

Notícias

Loading...

Follow by Email

dores e doenças autoimunes

Loading...
Loading...

saúde

Loading...